Contribuir no INSS sem registro na carteira: isso é possível?

A Guia da Previdência Social (GPS) do INSS permite que os cidadãos que não estão com a carteira de trabalho assinada façam a contribuição da previdência social. A emissão do boleto é feita  a cada mês e se deve pagar um valor  que é respectivo ao teto que deseja receber em caso de aposentadoria.  

Neste artigo, o Trabalhador pretende abordar um pouco mais sobre como funciona a contribuição para os mais variados tipos de grupos de brasileiros. Portanto, se quiser saber mais sobre o assunto, basta que você continue a leitura aqui conosco. 

Quem é MEI consegue pagar o INSS? 

Outra dúvida que muitas pessoas possuem é sobre o fato de quem é MEI  conseguir ou não pagar o valor do INSS. Vale salientar que todos os meses o empreendedor tem que pagar o valor de um boleto que é chamado de DAS. Neste caso, o valor do DAS acabará chegando a cerca de R$ 66,6 e já conta com a contribuição para a previdência social. Deste modo, quem atua como pessoa jurídica pode fazer a solicitação de auxílio maternidade, auxílio doença e aposentadoria. 

O MEI paga o DAS para receber o retorno de um salário mínimo. No entanto, pode pagar um valor maior caso queira mais através da emissão de novas guias. 

A emissão do boleto do DAS é feita mediante o portal do PGMEI ao informar dados referentes ao CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica). 

Quem é autônomo?

Em suma, a pessoa que trabalha como autônoma conta com a possibilidade de emitir a guia do INSS  somente com acesso à sua conta GOV no aplicativo do MEU INSS. Para isso, basta informar o CPF e a senha para que consiga entrar. No aplicativo do MEU INSS, também é possível ter uma noção sobre as últimas contribuições ou extratos.