Por que Auxílio Brasil não é de R$ 600 em julho?

Há duas semanas, o Congresso Nacional promulgou oficialmente a chamada PEC dos Benefícios. Trata-se do texto que prevê uma série de mudanças em programas sociais. O documento estabelece, por exemplo, o aumento no valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600. Contudo, na prática, ninguém conseguiu receber a elevação ainda.

O Ministério da Cidadania, que é o órgão responsável pelos pagamentos, explica que os repasses turbinados previstos na PEC ainda não têm validade em julho. Mesmo após a aprovação do texto no Congresso Nacional, o Governo ainda precisa seguir outros ritos. Quando as novas etapas foram cumpridas, a liberação atual já estava sendo feita.

Assim, as mudanças promovidas pela PEC dos Benefícios só terão efeito a partir do próximo mês de agosto. Na próxima liberação, todos os usuários que fazem parte do Auxílio Brasil ganharão o direito de receber os R$ 600 mínimos. Até lá, será preciso esperar e se manter com os ganhos de R$ 400 que estão sendo feitos em julho.

Além do aumento nos valores, o Governo Federal também quer inserir mais de 2 milhões de pessoas de uma só vez no programa. A elevação só será possível porque a PEC dos Benefícios liberou R$ 26 bilhões para que o Planalto conseguisse turbinar o projeto. As novas entradas também só começam a ser feitas a partir de agosto.

Vale lembrar que as pessoas que já fazem parte da folha de pagamentos do programa social não precisam se preocupar com renovação de inscrição. Desde que siga cumprindo as regras de permanência, a passagem do auxílio de R$ 400 para R$ 600 será feita automaticamente. Quem ainda não está na folha, também não precisa se inscrever.

Auxílio de R$ 600 gera polêmica

Como dito, a PEC que permite a elevação do valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600 já foi oficialmente promulgada pelo Congresso Nacional. A aprovação contou com apoio até mesmo de partidos de oposição, como o PT.

Entretanto, o texto da PEC ainda causa polêmica até hoje. Parlamentares acusam o Governo de pagar o aumento agora apenas de olho nas eleições presidenciais deste ano, que acontecem dentro de menos de 70 dias.

Além disso, opositores dizem que o Governo quer acabar com o aumento do Auxílio Brasil logo depois das eleições. O texto da PEC dos Benefícios prevê os pagamentos turbinados do programa apenas até o próximo mês de dezembro.

O Governo Federal nega as acusações de que o Planalto estaria usando o projeto com interesses eleitorais. Em entrevistas recentes, o presidente Jair Bolsonaro disse que pretende manter o auxílio em R$ 600 caso seja reeleito este ano.

×
App O Trabalhador
Aplicativo O Trabalhador
Grátis - Na Google Play
VER