83% de todos os lares atendidos pelos Auxílio Brasil são chefiados por mulheres

De acordo com dados que foram liberados pelo Ministério Da Cidadania ainda nesta semana, ao menos 83% de todos os lares que acabam sendo atendidos pelo Auxílio Brasil – dos mais de 18 milhões  de grupos beneficiados,  são chefiados por mulheres.  Os motivos para isso são os mais variados, principalmente pelo fato de que os pais homens quando descobrem que terão um filho não assumem no relacionamento e deixam a criança somente para a responsabilidade feminina.  

O Auxilio Brasil paga o valor de R$ 400 por mês e ainda conta com a contribuição de um bônus de R$ 52 que serve para o Vale Gás que deve ser pago somente até o final do ano de 2022 como forma de movimentar a economia durante a reiteração do país na pandemia. 

Em suma, existem alguns requisitos que são exigidos pelo ministério da Cidadania para aqueles que desejam ser beneficiados como ter a renda de até R$ 200 por pessoa e estar inscrito no Cadastro Único que é destinado para todos os brasileiros que contam com o valor mensal inferior a R$ 660.

De acordo com Jair Bolsonaro, neste ano, devido ao valor que está sendo pago ser maior do que o ano de 2021, haverá um cruzamento constante do banco de dados para determinar quais serão as pessoas que estavam recebendo pelo programa sem que tivessem direito para isso. O mesmo aconteceu com o Auxílio Emergência, que chegou   a pagar o valor de até R$ 1200 para as mulheres solteiras mas uma grande parcela dos beneficiários mentiram em relação a condição financiaria real – ma acabaram sendo descobertos na declaração do imposto de renda quando declaram que receba, valores muito altos para quem estava desempregado. 

O valor de R$400 para os grupos beneficiados deve ser pago somente até o final do ano de 2022 e voltará a ter um teto menor em 2023.